Ninguém cantou

dezembro 3, 2007

O governo defendeu com veemência que a implementação da televisão digital (também chamada de televisão em alta definição) tem um carácter social. Mas me chamou bastante a atenção que ninguém cantou o Hino nacional em voz alta durante a solenidade de inauguração oficial. Eu achei curioso e fiquei lembrando das minhas aulas de semiótica e também daquelas de mensagens subliminares. Pode não ter nada a ver, mas também pode ter…

Anúncios

MBA

dezembro 3, 2007

Dica de curso para quem quer aproveitar a onda. Nesse site, as informações completas do MBA em TV Digital, radiodifusão e Novas Mídias de Comunicação Eletrônica na Universidade Federal Fluminense. Veja mais.

E já que eu levei a maior bronca via mensagem a esse post, resolvi editar o texto, para acrescentar o crédito. Guilherme Felitti foi quem deu a dica. A própósito, o blog dele é super bacana. Quem quiser dar uma olhada, clique no Chá Quente.

Trecho de análise

dezembro 3, 2007


O negócio de televisão, entretanto, não tem escolha e precisa mesmo correr. Lançar o novo modelo de televisão é a alternativa do setor para acirrar a corrida pela liderança na venda de equipamentos – em 2007, os computadores de mesa superaram os televisores. Foram 10 milhões de PCs contra 9,5 milhões de televisores, segundo a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

A implementação da TV Digital, segundo Luciano Leonel Mendes, do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), tem o objetivo de aumentar o poder de atração de programas frente às demais mídias. “A principal delas é a internet, que tem o perfil de criar conteúdos para diversos tipos de público e agradar a todos ao mesmo tempo, sem interrupções de anúncios de limpeza em um site de discussão sobre carros”, compara.

Por isso, apesar de a competição não ser direta, já que um equipamento não deverá substituir o outro – a tevê continuará sendo usada como instrumento de entretenimento de grupo, enquanto a internet é para uso solitário e busca de informações específicas – essa é a tentativa da televisão de voltar a despontar no conceito popular como a principal fonte de informação e entretenimento e sair detrás da sombra que a internet atualmente projeta sobre as telas. 

Esse é o trecho de uma matéria analítica publicada no COMPUTERWORLD.  Leia a reportagem completa aqui.

Charge do Angeli na Folha

dezembro 3, 2007

Essa charge do Angeli é sensacional.

Não percam.

Clique aqui para ver!

De zero a dez

novembro 30, 2007

Baseada no post anterior, resolvi perguntar. Você já viu demonstrações da TV Digital em lojas ou em algum lugar? O que achou? Qual foi a sua sensação? Ficou com vontade de ter em casa?

Para simplificar, pergunto: que nota você daria para a impressão que teve? Comente!

Avaliação – uma nota para a TV Digital

novembro 30, 2007

A TV Digital finalmente começa no Brasil. E, até agora, que balanço pode ser feito de tudo isso? Vamos por tópico:

Padrão – a decisão parece ter sido boa do ponto de vista das atualizações tecnológicas que permite, por termos incrementado as tecnologias mais avançadas que existem. Isso gera orgulho e traz uma boa imagem ao País. Entretanto, essas escolhas não favoreceram o preço. Está alto ainda (entre 500 e 1100 reais o conversor) e ainda nem inclui o sistema de interatividade.

Preparação – tudo foi definido muito rápido. A pressa desde que foi definido o padrão japonês como base (que também levou um tempão até sair) foi visível. Representantes da indústria argumentam que precisariam de mais um ano para fazer os testes adequados dos produtos. Isso significa que o que está no mercado não está totalmente pronto para o consumo. Por isso, volto a recomendar (o Procom e outros órgãos e executivos fizeram o mesmo): não compre nada ainda. Resista e você poderá pagar menos e ficar mais feliz.

Informações – como definições de padrão tecnológico e outros itens só ficaram prontas depois da metade do ano, a indústria e emissoras tiveram de se concentrar fortemente em si mesmas e não conseguiram olhar para público como deveriam. Eu cubro esse assunto há mais de um ano, mas a grande imprensa só se dedicou em explicar com cuidado alguma coisa para os telespectadores nas últimas duas semanas. A campanha de televisão preparada pelos integrantes do Fórum Nacional de TV Digital exibida desde 03 de outubro não foi suficiente. Além disso, surgiram itens que a imprensa não conseguiu explicar, porque ainda não estavam definidos. A questão dos assinantes de televisão a cabo é um bom exemplo. Eles ainda estão em conversas com as emissoras de televisão aberta para garantir que o sinal das tevês abertas chegue realmente em alta definição mesmo depois de passar pelas retransmissoras.

Novos itens – além do conversor, o consumidor descobriu que precisa de uma antena. No início, ela vem de brinde, mas depois isso não está garantido.

Lojas – os vendedores também não foram preparados com antecedência. Cansei de ver pessoas comprando televisores LCD achando que a partir do dia 02 estariam preparadas. Nada disso. O lançamento da TV Digital no Brasil vai gerar muita frustração, o que podia ser evitado, já que foi exatamente o que aconteceu na maioria dos outros países.

Para ninguém – esse é um ponto em que eu discordo veementemente dos comentários. Li diversas reportagens que me lembraram jornalismo picareta dizendo que a televisão digital vai estrear para ninguém. E daí? Quando Chateaubriand iniciou as transmissões da TV Tupi teve de “comprar do seu bolso” (Se você leu a biografia de Fernando Moraes vai entender as aspas) aparelhos de televisão e trazê-los ao Brasil e garantir alguma audiência. Alguém precisa começar. Quando virem as imagens de alta definição e quando novos recursos e serviços forem oferecidos, a adesão vai aumentar. Além disso, o ministro Hélio Costa disse que as vendas essa semana foram bastante positivas e que passaram da casa dos milhares logo no primeiro dia.

 Preço – é alto, mas eu ainda me pergunto se esse é um ponto negativo. Todo o mundo já foi alertado de que o preço vai cair em breve. A indústria vive também desses consumidores desesperados que não conseguem esperar e literalmente pagam qualquer preço. Um executivo da Samsung chegou a me dizer que acredita que muitas pessoas vão receber televisores com receptor embutido em casa, sem nem perguntar o preço. Portanto, não vale criticar com ferro e fogo agora. Vale fazer o protesto “não comprando”.

Interatividade – Por enquanto, nada. Isso é um ponto negativo. O item mais brasileiro do pacote não estréia na data prevista. Os criadores dizem que está pronto, mas não comercialmente e as minhas tentativas de entender o que exatamente isso significa foram frustradas. A expectativa, no entanto, é de que esteja nos conversores no segundo semestre do ano que vem. Dependendo do que for possível com isso, pode ser bem legal. E pode inclusive ajudar a dar uma revigorada na programação das emissoras.

O balanço, portanto, não é negativo. Se tivesse de dar uma nota de zero a dez para a condução do processo de lançamento da TV Digital no Brasil, pensaria em seis.  É moderno, é interessante, parte dos prazos foram cumpridos e se aproxima do perfil de consumo dos brasileiros, já que tem mobilidade e alta definição ao mesmo tempo. Entretanto, deixou a desejar pela burocracia nas definições, produtos lançados sem testes apropriados e, o principal, alto custo. O que importa é que, pelo menos, despertou interesse. Esse blog mesmo viu subir bastante o número de acessos, assim como pode se ver que as notícias sobre o tema sempre se destacavam entre as mais lidas em sites para grande público e também os direcionados. Você, por exemplo, se leu até aqui, é porque deve estar bastante ansioso, curioso e interessado.

Cobertura completa

novembro 30, 2007

Quer facilitar a sua vida e acessar todas as informações de televisão digital em um só link?

O IDG Now! está abrigando uma página alimentada com as notícias do Computerworld, do próprio IDG Now! e da PC World (todos veículos da editora IDG) para reduzir o trabalho de quem quer se informar sobre o tema.

Para acessar, clique aqui.

Lula vai anunciar isenção de impostos?

novembro 30, 2007

Nada confirmado, mas especula-se que, durante o coquetel de lançamento da TV Digital – que acontece neste domingo (02/12) em São Paulo – o presidente Lula poderá anunciar redução de taxas e impostos para que o preço dos conversores (set top box) caia. Até agora, o mais barato anunciado é da Positivo, de 499 reais, e o mais caro é o da Philips, de 1099 reais.

Contagem regressiva: 27 dias

novembro 5, 2007

O COMPUTERWORLD preparou um especial para marcar o único mês que falta para o início da transmissão do sinal digital de televisão. Na reportagem, têm informações dos preços dos equipamentos de recepção, sobre interatividade e muito mais. Fontes não faltam!

Vale checar e comentar. Bom proveito.

Interatividade, sinônimo do negócios

novembro 3, 2007

O diretor-geral Del Rangel, que hoje comanda as gravações da novela Dance Dance Dance, da rede Bandeirantes, decreta: a interatividade da televisão digital no Brasil não representa possibilidade apenas de entretenimento, o principal são os negócios gerados.  Em suas palavras, “interatividade é business”.

Segundo ele, hoje existe uma pessoa na equipe de produção das novelas que se dedica apenas a responder questões dos telespectadores sobre as roupas e acessórios dos personagens. Com a TV Digital e a possibilidade de obter esse tipo de informações por meio de comandos do controle remoto, isso vai acabar. Além disso, surge o interesse maior das grifes de fornecerem as roupas aos atores e atrizes, pois a venda poderá ser direta.

Isso significa que muitos dos anúncios de novidades da TV Digital precisam ser vistos com outros olhos. Quem perceber certas coisas primeiro, poderá ter grandes diferenciais.